sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Anedota

Hoje li uma frase que me fez pensar em como eu dou risada de basicamente tudo - especialmente de mim mesmo - e como isso é bom. E como faz falta, pra falar a verdade. Muita gente acha gostoso ver um neném rir, mas quando um homem (moi?) se mata de rir, é bem tachado de "infantil" ou algum absurdo do tipo.

(foda-se)

Mas a bendita é do Mário Quintana, grande poeta. Diz que "o grande consolo das velhas anedotas são os recém-nascidos", o que me faz pensar que eu sou um consolo e tanto, então. Prova disso? Passo mal ao ouvir ou mesmo contar essa piada, e não é a do Euclides, pra quem conhece e odeia tanto. Assim, ó:

"Uma vez, quando Manuel voltava pra sua casa, avistou um pingüim em seu jardim. Aí, o Manuel perguntou pro vizinho dele:
- Óh Joaquim, o que faço com este pingüim?
- Óh Manuel, tu deves levá-lo ao zoológico, ora pois!
No dia seguinte Joaquim vê o Manuel passeando com o pingüim puxando-o por uma coleirinha. Aí o Joaquim pergunta:
- Ora Manuel, não levaste o pingüim ao zoológico ainda?
- Mas é claro que sim, Joaquim, e ele adorou! Agora estou a levar o bichinho ao Playcenter."

Salve a boa e velha anedota!

4 comentários:

Bruna disse...

Eu gosto muito sabia? E invejo quem sabe contar piada, acho que o contador é crucial pra ela ter graça ou não. Eu tenho um aluno que toda hora me conta alguma coisa do Chaves, e eu sempre rio muito mais qdo ele conta do que qdo eu assisti efetivamente (e foram dezenas de vezes!).

Deixo uma pra vc: Sabe pq a vaca morreu afogada?

Sandro disse...

A bicha sentou no restaurante e foi atendida pelo garçom:
"Tem mamão?"
"Tem, sim senhor."
"Então pica pra mim."

Dani disse...

Quando um homem ri é tachado de infantil? Com que tipo de gente você tá andando, Paulinho? rs QUASE não tem nada que me agrade mais em um homem do que bom humor! Tem coisa mais chata do que essa gente que quer ser séria, profunfa, visceral daquelas que não se permitem chorar de rir com uma besteira bem dita? Argh!

Se bem que rir de TUDO, por NADA ou de QUALQUER coisa o tempo todo também é um tanto estranho, convenhamos. Minha avó, virava e mexia, vinha com essa comida de rabo sutil (se é que isso existe) quando algum de nós exagerava na "alegria": "Muito riso, pouco siso!". Claro que isso cabe muito bem quando avistamos aquele grupo de garotas adolescentes cochichando e gargalhando, e não quando um homem cheio de pêlos na cara ri desenfreadamente ao assistir pela enésima vez ao "Quem Vai Ficar com Mary". ;)

Be happy, Paulito!

Sandro disse...

Sabe Paulo, esse seu post foi meia boca, mas a linguça ó, DESSE TAMANHO.