terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Тетрис

"Over futile odds
And laughed at by the gods
And now the final frame
Love is a losing game"

-- você não poderia estar mais errada, Amy. Nem sempre Love Is a Losing Game.

* * *

Tetris
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Tetris (em russo, Тетрис) é um jogo electrônico muito popular, desenvolvido em 1985-1986 por Alexey Pajitnov, Dmitry Pavlovsky e Vadim Gerasimov. Pajitnov e Pavlovsky eram engenheiros informáticos no Centro de Computadores da Academia Russa das Ciências e Vadim era um aluno com 16 anos.

O objetivo do jogo é encaixar tetraminós, que são peças de diversos formatos que descem do topo de uma tela. Quando uma linha é completada, desaparece e dá pontos extras ao jogador. O jogo termina quando as linhas incompletas se empilham até o topo da tela do jogo.

Um dos jogos mais viciantes do início da era dos computadores pessoais, Tetris foi ganhando uma legião de fãs e muitas versões à medida que estes computadores foram evoluindo. Teve versões em diversas plataformas, inclusive em Commodore Amiga, mas foi no Game Boy da Nintendo que o jogo teve mais sucesso, sendo inclusive o principal factor para o grande sucesso do Game Boy.

Uma vez, com a Berdz no japonês, a gente montou a metáfora do Tetris pro rodízio, em que um arroto valia pelo tetraminó de 4 espaços em linha reta, o vermelho (daí a cor do texto acima), como me disseram ontem, porque liberava umas quatro linhas e dava mais espaço pra caírem as pedrinhas, ou seja, o sushi. Mas tinha uma hora em que a coisa não dava mais, e daí fazia aquele barulhinho engraçado de quando acabava, porque lotou. Ao menos no Game Boy fazia. Por sinal, a música que tocava se chama Korobeiniki, e dá pra se achar várias versões legais, como a do Ozma (banda indie).

Mas ontem eu ouvi uma metáfora pro Tetris muito melhor, e definitivamente mais relevante do que a do japonês. Uma metáfora que fez sentido, foi bem colocada para ilustrar e me deixou mais motivado pra jogar bem do que sentar na frente de um PC pra jogar PES 2008 e ver, com gosto, uma pessoa quieta ficar falante e animada. Deu foi vontade de jogar como nunca, melhor do que Kyle e Stan juntos no Guitar Hero, e bater qualquer recorde que eu tenha até hoje. Fazer com que, de tetraminó em tetraminó, o jogo vá longe - muito longe - e as peças de 4 espaços sejam cada vez menos necessárias.

Afinal de contas, esse Tetris tem tudo pra dar certo e ser um belo winning game.

Um comentário:

Fabi disse...

E que venham muitos e muitos tetraminós vermelhos :-)
Queria muito você aqui comigo, 'cê não tem idéia. Beijo gelado!