sexta-feira, 11 de maio de 2007

Água Benta


Qualquer estudante brasileiro que se preze sabe bem o que o termo "quando a água bate na bunda" significa. Não, não vem com essa de "Ah, eu nunca tive disso, sempre adiantei trabalhos e o caralho a quatro", que é mentira. Todo mundo, uma vez ou outra na vida, soube o que é ter essa real inspiração, essa motivação extra que é o prazo chegar, você olhar no calendário e soltar um "Puta que pariu!" ou similares. A sensação gostosa de saber que você vai ter tempo pra sentar, pensar, fazer rascunhos e entregar um trabalho de encher os olhos, com ótimos textos sem erros de português (ou a língua que for) por conta da correção, com imagens bem trabalhadas, todas as idéias no papel, ou mesmo tirar questões de letra porque estudou bastante. Essa é a melhor parte da água que nos pega tão preparados e animados para o desafio.

Universitários, então, sabem disso melhor que ninguém. Afinal de contas, quem liga pro fato de que a maioria de nós trabalha e chega no fim de semana quer descansar, não ler e fazer trabalho? Os professores são, no geral, camaradas, porque dão meses de prazo (este sempre negociável), lembram-nos do trabalho, mas ainda assim... eles não sabem do como é bom esse "last-minute panic" que Calvin diz, nossa maior insipiração. Esqueça as musas, as sereias e quem mais Homero possa ter chamado: nossa musa é a água. Água, aliás, que vem a calhar com pó de guaraná muitas vezes.

Engana-se quem pensa que é tudo uma questão de estudar. No trabalho é a mesma coisa, porque um relatório feito em cima da hora sempre sai melhor, com uma fluência que faz com que vejamos claramente que a água que nos pega nos fundilhos só pode ser benta, santa, já que aquilo com que pelejamos por semanas não saía, mas no fim das contas, saiu. Graças, é claro, à falta de prazo. Ah, você nunca teve disso no trabalho? Então, amigão, você deve ser daquelas pessoas que se lembra das festas, dos aniversários e de dias como a Páscoa e o Natal e sempre compra tudo antes, porque é prevenido pacas. Parabéns!

Eu, não. Confesso que o melhor semestre que tive na faculdade foi quando fiz tudo adiantado, a mesma coisa no trabalho. Mas não tem jeito, e acho que poderíamos mudar o "logo" do país. Brasileiro e não desiste nunca? Legal, mas eu sou brasileiro e deixo pra última hora. Afinal de contas, água é vida!

4 comentários:

mari_dox disse...

Nossa, qdo a agua bate na bunda... fudeu!
Aquele trabalho parece não acabar nunca, sempre mais erros, girias q nao acabam mais, palavras ou jargoes q a professora odeia, td de errado surge naquele trabalho que vc fez de ultima hora!
Sem contar dos litros de agua que vc tomou durante o trabalho pq estava de ressaca, ou os banhos pra vc se manter acordada... é... vida de estudante vcs acham q é moleza? Não é não...
Ter que ir beber com os amigos, naquele buteco perto da faculdade, ter que ir em jogos torcer pelo seu curso, ter q planejar churrasco, e as vezes... estudar! hahahaha
É, mas qdo chegava epoca de prova, seminário, trabalho... a faculdade estava praticamente inundada, pq a agua alí... tava mais do que na bunda de todo mundo, e não era nada benta!

Renata disse...

Eu acho interessante a idéia de fazer tudo antes, mas isso só vale na teoria, já que a prática é cheia de imprevistos. Às vezes consigo, mas em geral é na base do desespero mesmo.
Só não gosto do jeitinho esperto e malandro de sequer fazer na última hora e ainda surrupiar dos que se mataram. Mas sim, são coisas bem diferentes.
Eu fico com o meio termo... quando penso que seria bom adiantar, eu até começo, mas não me lembro de ter deixado um trabalho pronto muito antes da entrega (e se o fizer, é bem capaz de esquecer onde deixei hahaha), até porque é necessário um mínimo de organização pra deixar tudo pra última hora.
Quando o tsunami chega, com certeza a gente se obriga a agilizar as coisas e as coisas funcionam ou funcionam (não tem outra alternativa), mas é melhor não tomarmos isso como "certo", certo?!

Ana Elisa disse...

Eu já fui muito de adiantar as coisas, mas cansei dessa vida. A emoção de fazer um trabalho na última hora é inexplicável! =P

Dani disse...

Como você disse ontem, realmente sentimos um prazer inexplicável quando percebemos o quanto somos capazes. Quando olhamos praquilo tudo e pensamos: "Nossa! Ficou bom pra caramba! E tudo isso em tão pouco tempo."
Que mundo perfeito seria esse se isso pudesse ser aplicado sempre pra outras áreas da vida, pois não?
Conseguir realizar coisas bacanas assim... de repente. Impedir que algo ruim aconteça assim... em cima da hora. Medir as palavras antes de serem ditas e deixar de ver um rosto amigo se fechar. Saber rapidamente o que falar e desfazer um mal entendido. Pedir perdão. Fazer uma pessoa sorrir. E isso tudo em tempo hábil de consertar coisas, de fazer certo de cara e não ter de consertá-las depois.
Talvez eu tenha ido longe demais, eu sei. Talvez eu coloque a culpa na água que existe dentro de mim. Talvez eu culpe a água que passarinho não bebe, que tenho consumido vez por outra, rs. Ou talvez a água dentro de você, que te deixa assim tão cheio de vida, e te faz escrever essas coisas tão bacanas. =)