sexta-feira, 8 de agosto de 2008

10%

"Garçom, mas eu só quero chorar
Eu vou minha conta pagar
Por isso eu lhe peço atenção"
-- já falei sobre Garçom, do Reginaldo Rossi.

* * *

Pra muita gente, na hora de comer fora a comida e a babida são o fator de maior importância, não é segredo. E isso tem lá sua lógica, porque imagine você ir ao Fasano, pagar a bagatela de R$ 82 num prato de comida e o treco ainda vir ruim, ou a cerveja quente? Não dá, não mesmo. Pior é quando você paga, por exemplo, mais de R$ 40 numa pizza e quando ela chega a vontade de falar é "Opa, chegou metade dela. Cadê o resto?", de tão pequena que ela é. Drink preparado com muito gelo, doce demais ou mesmo forte demais também não ajuda, mas pelo menos no último caso você fica bêbado, então até passa. Coloca um gelinho que tá tudo certo.

Agora, especialmente desde que comecei a andar com pessoas que fizeram/fazem Senac, no caso Hotelaria, eu passei a prestar mais atenção a uma coisa, que no fundo sempre foi super importante pra mim: o serviço. Prova disso é que eu penso duas vezes antes de voltar a bar onde o garçom tá de má vontade, ou dá rolo na conta e o povo do bar não quer nem conversar. Tudo bem, bêbado fazendo conta não é a coisa mais lógica do mundo, mas tem bar que abusa da boa vontade e do teor alcóolico. No caso de garçom com má vontade, acho que o primeiro sinal que eu tive foi na Pizza Hut, indo pra Bienal do Livro, em 1998 - os caipiras vinham pra SP e tinham que passar no shopping, claro. A mulher atendeu a gente tão mal que eu fiz questão de falar "E traz os 10% no troco porque a gente não vai pagar", pra ver uma cara de bosta e outra mulher trazer o troco. No segundo, foi no Bar Baro, ali na Vila Olímpia, dois anos atrás, quando meus amigos e eu tivemos que ser escoltados pela PM pra fora do bar pelo rolo que deu com a conta, a Amanda em prantos e o bar querendo botar seguranças-gorila pra gente pagar por coisas que não tínhamos consumido (nem a tal tequila, por incrível que pareça). Aliás, hostess com cara de cu também não me agrada, e deve ser requisito pro El Kabong de Pinheiros.

Serviço conta DEMAIS. Pra muita gente, tem que ser impecável, mas pra mim a coisa não pode ser ruim, seja ela como for. Confesso que gosto mais do garçom que vai te dar tapinha nas costas e gritar no meio da cantina "Salve o Corinthians!", sendo que ele é palmeirense - esse, no caso, é o garçom personificado, impressionante. Aquele outro que vai beber com você depois do expediente, até sua amiga já bêbada dar PT e ameaçar vomitar de tanto vinho. Ou mesmo garçom que faz piadinha com você, sendo ao mesmo tempo mega educado pra te servir um beirute delicioso. Tem garçom que tá há tanto tempo na mesma lanchonete (e ele é o único que tá lá, juro) que deve ser dono já. Sempre que eu vejo esses caras, ou mulheres, eu penso que contrataria pro bar que eu ainda vou abrir, e até então tinha uma listinha de uns 5 garçons.

Ah, por sinal, a palavra 'garçom' vem do francês. Pra eles, garçon significa 'menino', mas aqui essa merda dessa palavra é com M e NS no plural, só. No português antigo, por outro lado, 'garçom' designa um sujeito desonesto. Aqui no Brasil, se você parar pra pensar, eles são sempre o Bigode, o Ceará, o Baixinho, o Zé, o Pelé e por aí vai, sem erro.

Daí que quarta agora eu fui finalmente ao Joakin's, e eles têm mais um que vai ser contratado, o Moacir (esse é com I). Mas o detalhe é que eu não faço a menor idéia do nome do sujeito, mas ele é manco, cheio de rugas e é a CARA do Moacyr Franco, e tem uma cara de mau humorado que eu nunca vi, some do nada (o melhor comentário sobre isso foi "Tá lá na cozinha aquecendo a voz") e nem olha na cara da gente, porque é estrelinha e só atende quem ele quer. Sem contar que logo depois veio o Joacir (não é piada), que puxou o tapete do Moacir e assumiu o cargo de gerente de mesas antes, safado. Mas tá contratado, porque eventualmente alguém ia achar graça e acabar voltando, e ele vai receber mais que os 10% dele, porque vai ter gorjeta e, um sorriso e um obrigado sinceros, que garantem a fidelidade do cliente.

Juro, é muito bom voltar à Mercearia São Pedro e ver o sujeito chegar com um sorrisinho na cara e soltar um "Vai outra capirinha de pinga aí?", tirando com uma coisa que rolou em 2005. Eu, é claro, sempre aceito. E volto depois, sempre deixando meus 10%.

10 comentários:

Thelma disse...

Nessa semana tive duas experiências péssimas com garçons, coisas do tipo caras feias, sumiços e ironias. Não sei ao certo o que pensar, afinal os caras podem ter acordado com o pé esquerdo, e aí não dá pra controlar. Mas de qualquer forma, o que nós, clientes, podemos controlar, são os 10%, e isso devemos fazer sempre. É facultativo o pagamento e, mesmo que fiquemos sem graça na hora de mandar subtrair do valor, vale a pena lembrar da cara-de-pau de alguém que faz mal o seu serviço e ainda leva vantagem em cima da gente. Aqui não hein????

ps: pimp, lembrei da formatura da flá em Sanca, não foi lá q vc aprontou um rolinho desses na conta do habibs?????? Tá virando ofício hein? Hahahaha.
BJOS

Thelma disse...

Nessa semana tive duas experiências péssimas com garçons, coisas do tipo caras feias, sumiços e ironias. Não sei ao certo o que pensar, afinal os caras podem ter acordado com o pé esquerdo, e aí não dá pra controlar. Mas de qualquer forma, o que nós, clientes, podemos controlar, são os 10%, e isso devemos fazer sempre. É facultativo o pagamento e, mesmo que fiquemos sem graça na hora de mandar subtrair do valor, vale a pena lembrar da cara-de-pau de alguém que faz mal o seu serviço e ainda leva vantagem em cima da gente. Aqui não hein????

ps: pimp, lembrei da formatura da flá em Sanca, não foi lá q vc aprontou um rolinho desses na conta do habibs?????? Tá virando ofício hein? Hahahaha.
BJOS

Manoela disse...

Concordo plenamente...serviço é muito importante mesmo! e não só no bar, né? Vc sabe que no meu trabalho, quando viajo a idéia é justamente essa...testar os serviços!
E quanto ao Mercearia, volto toda semana desde que era pré adolescente e ia somente aos domingos almoçar...são os mesmos garçons desde sempre, do almocinho, depois uma cervejinha e o celebre dia da caiprinha! Alias, esse dia merece mesmo ser lembrado...até pelo garçom! Alias...o apelido dele é Batoré..rs!
beijos!

juliana disse...

E dá pra perceber uma diferença imensa daqui no Brasil pros EUA, por ex., em questão de serviço em restaurantes e bares. Mesmo que lá muitas vezes essa simpatia seja falsa pra caramba e o cara esteja trabalhando há 10h de pé, louco pra ir embora, ele ainda vai ser sorridente e te falar aquelas frases prontas pra tentar te atender bem - são 'service oriented'.
Por que? Oras, a gorjeta - em torno de 15 a 20%, ou até mais - vai direto pro bolso dele e é a parte mais significativa do salário do cara; aquela tv de plasma que ele quer comprar depende de conquistar ou não a simpatia do cliente.
Aqui, além do cara muitas vezes receber salário ruim, já ouvi falar que os 10% muitas vezes nem vão tudo pro bolso dos garçons.
Claro, tem casos e casos, mas no geral 'it's all about the money, babe!'

ps: acho que eu lembro desse dia do Pizza Hut :)

Alessandra disse...

Eu adoro recompensar o bom serviço e também adoro punir o serviço mau ou péssimo. E não só em restaurante e bar, sempre que eu recebo bom serviço eu dou gorjeta em posto de gasolina, salão, pet shop (porque quem cuida da minha bebê tem que sempre caprichar e tomar cuidado) e para qualquer entregador. Não só é justo como é muito bom ter reputação de dar boas gorjetas em lugares onde a gente sempre vai.

Marina disse...

Peraí.Faltaram alguns detalhes dignos de nota, se você me permite. Eu entendo o Moacir. Ele é mal-humorado, possivelmente porque deve estar cansado de viver na sombra de seu sósia famoso (afinal, ele deve ter o dobro –se é que isso é possível- da idade do Moacyr Franco). Talvez por isso ele pinte os cabelos de acaju, numa tentativa de voltar aos anos dourados de sua juventude que as (muitas) marcas de expressão de sua face não o deixam esconder. Além disso, deve ter sofrido o pão que o diabo amassou quando sofreu a trairagem (sim, o vulgo “fura-olho”) pelo Joacir, que é bem mais novo. Ora, devemos dar um desconto a seus ataques de estrelismo. Ele tem suas razões, e é por isso que ele merece estar na lista do seu bar, Paulo. Totalmente merecedor dos 10% :)

Dani disse...

Acho mesmo que, mais até do que a simpatia, a presteza e a discrição têm chamado bastante a minha atenção ultimamente. Quantas e quantas vezes eles passam desapercebidos por nós? Raríssimas! É triste constatar que, para os tais padrões da Hotelaria, o “ideal” é justamente esse.

Desde que senti na pele pela primeira vez estar do outro lado, tenho dado um valor sobrehumano para esses profissionais, pessoas que participam da vida de muitos de nós. Sim, participam! Seja tendo que consolar um bêbado, ser testemunha de um pedido de casamento, de negócios milhonários, de notícias ruins...

Mais do que eles nos agradarem, a diferença logo se nota quando nós os agradamos. Digo mais! Essa diferença pode fazer o dia desse garçom, ou mesmo o trabalho dele valer a pena, acredite! É como a hora do cafezinho numa reunião de trabalho. Entra a moça do café e, em regra geral, sem ser notada, sem interromper a dita reunião, faz seu serviço em silêncio, anônima. Vai embora muitas vezes da mesma forma que entrou, sem ser notada e é raríssimo alguém agradecer. Me choca a falta de respeito e gentileza de todos.

Não sorrir, não interagir, não olhar nos olhos, não conversar só funciona muito bem se você estiver avaliando o serviço como Cliente Oculto (e isso também é questionável). Do mais, a NOSSA simpatia e gentileza podem valer muito mais do que os míseros (muitas vezes) 10% que pagamos. Pense nisso da próxima vez que o Bira, o Mané ou o Jorge se aproximarem sorridentes com famoso “Pois não?”. =)

Bruno Hansen disse...

Um site que eu curto muito é o do trip advisors. É tipo a chance de vingaça que temos para reclamar de um quarto sujo, um atendente babaca ou um hotel no quinto dos inferno (apesar de falar 15min do centro).
Tem alguns hostels que importam muito com sua reputaçao na net, mandam até Survey depois para saber como foi e no que melhorar, quarto limpo, informação sobre tudo, até cozinha limpa!
Atualmente está muito mais facil viajar, e sem tomar cano ou ir para um buraco; isso porque ninguem aceita mais porcaria de serviço, e tem que ser assim mesmo!

Anônimo disse...

Em alguns lugares, tão valorizado que até querem uma nova modalidade nas olimpíadas: http://g1.globo.com/Noticias/PlanetaBizarro/0,,MUL718760-6091,00-GARCONS+DISPUTAM+CORRIDA+NA+SUICA.html

Jenna Rink disse...

Ah, tem um grupo super legal que a associação dos comerciantes de SP tem que é o cliente oculto.
Uma avaliação que vc responde do estabelecimento.
Eu fui cliente oculta algumas vezes, e adorei.
Concordo plenamente que o serviço é tão importante quanto o lugar em si.

[Off post: Ah, eu tô sendo totalmente do contra por ter odiado o filme do Batman. Mas de verdade, eu não sei se minha expectativa foi elevada demais, ou se eu não estava em um bom dia. O fato é que achei ruim. Sobre X-men, o que eu posso dizer é que adoro no Magneto a característica de não omitir do mundo o que ele realmente é. Ser diferente e não ligar pra isso, arcar com a dor e a delícia de ser mutante. E olha que essa admiração não veio só com a trilogia, vem desde que eu gastava a minha mesada comprando gibis do Fabulosos X-men...rs]

Bj